“….é a visão cristã que ilumina a dramática arena do mundo.” (Daniel Fernandes)

In: Cristianismo

25 jan 2017

Jesus_20141227_pf

Ontem, com muita razão, o padre Schall, no seu artigo “On Being Roman Catholic”, chamou, de maneira implícita, a atenção para o artificialismo das chamadas “leituras puras, desinteressadas, meramente estéticas”. Leitura pura é a passividade absoluta em face do autor e da obra. Uma passividade, portanto, de morte. Não é verdadeiramente possível. O ato mental mais difícil de todos, dizia Max Scheler, é escapar de uma visão de mundo enraizada e que prevalece: “Concepção do mundo é a única concepção que cada homem tem sempre e necessariamente, queira ou não, saiba ou não com clareza”. Mesmo que a pessoa não se dê conta, ela está lá. E para um católico, não há nada mais objetivo do que ver as coisas desde o ponto de vista cristão. Atento para a armadilha esteticista, George Weigel escreveu estas linhas: “embora o catolicismo seja um corpo de doutrina e um modo de vida, é também uma ótica, um modo de ver as coisas, uma percepção específica da realidade. A verdadeira “diferença católica”, no fundo, diz ele, é uma maneira de ver o mundo.” Neste mesmo sentido, Max Scheler advertia a Romano Guardini: “O senhor devia fazer aquilo que diz o termo Weltanschauung, quer dizer, considerar o mundo, as coisas, o homem, as obras, mas fazer tudo isso como um cristão. [...] Examine, por exemplo, os romances de Dostoievski e tome posição diante deles a partir do seu ponto de vista cristão”, justamente porque é a visão cristã que ilumina a dramática arena do mundo, em que se jogam a criação, o pecado, a redenção e a santificação. O modo de ver católico, esse “hábito de ser”, como diria Flannery O´Connor, é o que nos permite ver as coisas na sua verdadeira dimensão. Ver as coisas na sua justa perspectiva faz parte do que significa ser católico. O resto é bobagem. Bobagem esteticista.

Comentários Fechados.

"A religião não era o ópio e sim a poesia da humanidade".

(Harold Bloom sobre Flannery O'Connor).

  • alice franca leite EX´-Cafezeiro: Gosto demais dos autores católicos como Lucio Cardoso:passei mais de 3 anos ruminando o seu Diário [...]
  • sergio: Olá querido, Enzo! Tudo bem!Seu blog faz muita falta! Era charmoso e sofisticado! Uma raridade na b [...]
  • Enzo Potel: Oie, Sérgio! Tudo bom? Sempre bom voltar a seu blog e encontrar alguma menção à Flannery O´Co [...]
  • sergio: Delma, Minha esposa tem um blog. Como esse assunto é mais fácil de ser tratado de mulher para mul [...]
  • sergio: Dailza, Minha esposa tem um blog. Como esse assunto é mais fácil de ser tratado de mulher para mu [...]