Posts Tagged ‘chesterton

O sol se levanta todas as manhãs. Eu não me levanto todas as manhãs; mas a variação se deve não à minha atividade, mas à minha inação.  Ora, para expressar o caso numa linguagem popular, poderia ser verdade que o sol se levanta regularmente por nunca se cansar de levantar-se. Sua rotina talvez se deva […]

Os meus escritores católicos? Georges Bernanos, a cólera sagrada, Graham Greene, a ética paradoxal, Flannery O’Connor, a brutalidade benigna. É justo chamar-lhes “escritores católicos”, na medida em que dificilmente se entende o que escreveram sem uma compreensão mínima da mundividência cristã e da sua declinação católica. Três escritores da “graça”, do espírito soberano, irreprimível, insondável, […]

Se as árvores fossem altas e a relva curta Como num conto louco Se aqui e além um mar fosse azul Quebrando um monótono preto e branco Se um fogo fixo pairasse no ar Para me aquecer ao longo de todo o dia Se um cabelo farto e verde crescesse em grandes colinas Eu saberia […]

“Julgo que este livro poderá começar onde se iniciou a nossa discussão – nas proximidades de um manicômio. Os modernos mestres da ciência, bem como os antigos mestres de religião, advogam a necessidade de se começar toda e qualquer investigação por um fato positivo. Eles começavam pelo pecado – fato esse tão positivo quanto as […]

  “Tu agradeces antes de comer, muito bem; porém eu agradeço antes do teatro e da ópera, e agradeço antes do concerto e da mímica, e agradeço antes de abrir um livro, e agradeço antes de desenhar e pintar, nadar, esgrimir, boxear, passear, jogar, dançar; e agradeço antes de molhar a pena no tinteiro.” *** […]

António Campos  Imagem: “A tentação de Santo Antão”, Salvador Dali   *** Como caíste dos céus, Ó astro brilhante, Filho da Aurora? Como foste abatido por terra, Ó dominador das nações?   A era moderna oculta o demónio da mensagem pública. A sua existência é negada, embora proliferem as sociedades secretas, os filmes de terror, […]

Gabriel Syme não era apenas um detetive que pretendia ser poeta, era um poeta que se tornara detetive. Nem tampouco era hipócrita o seu ódio à anarquia. Ele era daqueles que cedo na vida são levados a tomar uma atitude demasiado conservadora por causa da loucura confusa da maioria dos revolucionários. Não chegara a ela […]

G. K. Chesterton A Beril Blanche DelaForce De G.K. Cherterton. Com a esperança de que, caso ela seja tentada, sequer uma vez, a aceitar a ofertade ter DUAS CABEÇAS, esta breve narrativa seja suficiente para dissuadi-la de tão enganoso caminho. Um pequeno garoto olhou, certa vez, por sobre a cerca do jardim e viu quatro […]

Gilbert Keith Chesterton De vez em quando eu narro alguns fatos nos meus textos. Coisas que realmente aconteceram, como a reunião com o Presidente Kruger ou ser jogado para fora de um táxi. O que vou mencionar agora realmente ocorreu: embora não haja nenhum evento político ou de perigo pessoal. Foi apenas uma simples conversa […]


"A religião não era o ópio e sim a poesia da humanidade".

(Harold Bloom sobre Flannery O'Connor).

  • alice franca leite EX´-Cafezeiro: Gosto demais dos autores católicos como Lucio Cardoso:passei mais de 3 anos ruminando o seu Diário [...]
  • sergio: Olá querido, Enzo! Tudo bem!Seu blog faz muita falta! Era charmoso e sofisticado! Uma raridade na b [...]
  • Enzo Potel: Oie, Sérgio! Tudo bom? Sempre bom voltar a seu blog e encontrar alguma menção à Flannery O´Co [...]
  • sergio: Delma, Minha esposa tem um blog. Como esse assunto é mais fácil de ser tratado de mulher para mul [...]
  • sergio: Dailza, Minha esposa tem um blog. Como esse assunto é mais fácil de ser tratado de mulher para mu [...]